Pular para o conteúdo principal

Os olhos do Pai revelam quem somos


Quando a gente se volta para o Senhor dizendo o que Senhor nos ensina a dizer na obediência ao Pai: “Senhor, eis aqui o que eu quero, não faça o que eu quero mas o que tu queres.” Quando nós fazemos essa experiência de imitar Jesus, nós necessariamente passamos por esse caminho de perda, fazer a vontade de Deus é ter certeza de perder: perder uma parte de si, perder seus sonhos, concepções, projetos... se enculturar da verdade de Cristo, tomar Cristo como modelo principal de vida. É começar olhar a vida pela perspectiva de Cristo, porque somos da família de Deus, tomamos consciência disso e vamos percebendo que não é mais a nossa vontade, mas a vontade de Deus. Constantemente nos vemos chamados a perder, a dar de nós. E isso ao contrário de nos fazer perder a nossa identidade, como alguns podem pensar, nos faz nos encontrar realmente. Imitando a Cristo no abandono a vontade do Pai, na obediência, na entrega de si, na perda, nós vamos nos tornando quem somos porque Cristo Jesus revela o homem ao homem.

O Verbo de Deus se encarnou, se fez homem como nós para nos mostrar como viver, para abrir as vias para nós. Então todos esses sacrifícios ficam como secundários e superados pelo corpo de Cristo, porque ele tomou um corpo como o nosso e esse corpo se fez dele oferenda ao Pai, fez desse corpo via de santificação pela qual todos nós temos que passar. Somos integrados da família de Deus, o Senhor dividiu e aniquilou o muro que nos dividiu. Andávamos perdidos e distantes e o corpo que nos reuniu até hoje é Cristo, que transforma a nossa vida. É essa a realidade e experiência que deve nos impactar fortemente para realmente sermos novas pessoas em Cristo. Novos jeitos, novas palavras, nova disposição de vida. Já não somos mais estrangeiros nem imigrantes porque Cristo é o nosso modelo. O nosso modelo de servir, de viver, de olhar nos olhos.

Nós somos cheios de vontades demais! Porque um simples movimento de renúncia nos desestabiliza demais. Mas se não formos dóceis ao pequeno, seremos dóceis em algum momento da nossa vida? Nós precisamos retirar de nós todos os pesos de rebeldia. Em Cristo está a marca da perda até a última consequência. “Dei-vos tudo e ainda continuo vos dando pela graça da minha Igreja no meio de vós.” É essa experiência que nós precisamos tocar. Quando nós nos recusamos a obedecer o simples, nós jamais conseguiremos obedecer o grande.

Precisamos voltar seriamente o nosso olhar para o olhar de Cristo, porque quando olharmos para o olhar de Cristo, ele estará olhando para a vontade do Pai. Cristo não tirou os olhos da vontade do Pai. Quando nós olhamos para o Pai, nós descobrimos quem somos, nós nos encontramos e as coisas exteriores perdem a força e o sentido de nos fazer perder, de nos desviar. Olhar os olhos do Pai é encher-se, é saber que a vontade do Pai é bem para a humanidade e por isso que Jesus queria se alimentar dela, e esse é o alimento que sacia, que nutre o corpo, a mente, a alma. A vontade do Pai nos integra e ocupa nossos espaços vazios, ela nos une novamente na comunhão com o Pai, na comunhão com os irmãos e conosco mesmo, por isso Jesus não se desviava da vontade do Pai. Por isso que Jesus não tirava os olhos da vontade do Pai. Jesus fazia uma experiência muito linda de olhar sempre para os olhos do Pai e não ter medo de encarar os desafios. Da onde Jesus tirava aquelas palavras, aquelas frases, aquelas atitudes tão acertadas? Você pode me responder “Porque ele era Deus”. Sim, de fato ele era Deus, mas “ciosamente não se prevaleceu de sua condição”, ele aprendeu viver a vida humana e ele se uniu ao Pai profundamente. E se enchendo da vontade do Pai, ele enfrentava os desafios da sua missão. O Senhor me ensinou algo em oração: Quando nós estivermos diante de algum desafio, não pensemos tanto no desafio, pensemos em como o Senhor nos quer e pensa a nosso respeito diante daquele desafio. Recordemos de quem somos diante de Deus. Recorda do que Deus já te falou, recorda das profecias, da experiência que você já teve com Deus, recorda das vezes que os irmãos te disseram sobre seus dons e capacidades. Não se preocupe tanto em o que vão pensar de você, mas o que Deus pensa de você. Isso muda todo o contexto e dá outro significado. “Aquele desafio vai ver quem eu sou. Ele verá expresso os meus dons, aquilo que eu tenho para falar, dançar, pensar, em poder orar. Os desafios me verão porque eu tenho os meus olhos fixos nos olhos do Pai e os olhos do Pai me amam profundamente.” Essa é a experiência que Jesus fazia, por isso ele não tinha medo dos desafios, ele sabia quem ele era. O Jesus Cristo, o Yeshua, o amado dos olhos do Pai.
Aqui eu trago uma frase do meu santo amigo, São José Maria Escrivánão tenhas espirito de caipira, dilata o teu coração até que seja universal e católico. Não voes como aves de capoeira enquanto pode subir como as águias. ” E em outro trecho de um livro ele diz assim “certa vez vi uma águia numa gaiola de ferro. Estava suja, meio depenada, tinha entre as garras um pedaço de carne podre. Ocorreu-me pensar no que seria de mim se abandonasse a vocação recebida de Deus. Fiquei com pena daquele animal solitário, enjaulado, que tinha nascido para voar muito alto e olhar o sol de frente. Podemos remontar até às humildades alturas do amor de Deus, do serviço aos homens, mas para isso é preciso que não haja recantos escondidos na alma, onde não possa entrar o sol de Jesus Cristo. Temos que jogar fora todas as preocupações que nos afastam dele e assim “cristo em tua inteligência, cristo em teus lábios, cristo em teu coração, cristo em tuas obras. A inteligência, toda a vida, o coração, as obras, as palavras, todas saturadas de Deus.” (Livro “Cristo que passa”)
Person with open arms Free Photo
O Cristo passa e se mostra para nós: Eu, homem como você, te mostro como você deve ser e de que forma Deus quer a sua vida. Nos olhos do Pai encontraremos sempre a vontade Dele, portanto não tiremos os olhos Dele. Vamos à procura desse olhos nos nossos irmãos, na vida de oração, na fidelidade a Deus, na comunhão, na vida fraterna. Voar alto e encarar o sol de frente. Não somos aves de capoeira, somos o plano de Deus para a humanidade, não nascemos para ficar escondidos, nascemos para voar!


Trecho da Pregação “Os olhos do Pai revelam quem somos” de Fernanda Rosetti.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver.

Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações.

Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de loucura …

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra.
A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade.
Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um menino chamado Plácido …

Você está se preparando para morar no céu?

Deus preparou um lugar, uma morada no céu para cada um de nós, Ele nos prometeu isso. Mas Deus também quer morar em nós e Ele quer encontrar esse lugar preparado nos nossos corações. Nossa Senhora foi essa primeira morada aonde Jesus veio e habitou, se fez carne presente.  Você precisa se preparar para duas coisas na sua vida:
1.Para morar no céu, é preciso preparar-se e é por esse o processo de santidade: acostumar-se a amar sempre. Estar apaixonado pelos habitantes do céu, porque ninguém vai morar num lugar com pessoas que não amam certo? Tem que amar! Nossa Senhora já nasceu se preparando para ir morar no céu, já nasceu amando, ela não fixou nada na terra, não quis ter parte dela aqui, tudo dela foi para o céu. E você, está se preparando para ser tudo para o céu?
2.Para você morar no céu você precisa ter o céu morando em você, ter o dono do céu morando em você porque o céu começa em você. Nossa Senhora teve o dono do céu morando nela, uniu-se ao seu Criador, ao seu Senhor, de uma fo…