Pular para o conteúdo principal

NOVAS COMUNIDADES: resposta divina para as necessidades da Igreja e do mundo de hoje

Espírito Santo nunca cessa de suscitar na Igreja novas formas de vida evangélica, de apostolado e missão. Assim, de tempos em tempos ela é impelida por essa moção do Espírito face às dificuldades e necessidades de evangelização que vão surgindo.

O mundo clama por uma NOVA EVANGELIZAÇÃO, por um novo jeito de se revelar a verdade contida no Santo Evangelho. A revelação feita por Cristo a respeito da salvação é inalterável, não muda e a própria Igreja, muito sabiamente, faz questão de preservá-la, a fim de transmitir com igual valor e eficácia, seguindo à risca o que Jesus fez e ensinou. O modo e os meios para se chegar a esse fim, porém, vão ganhando uma nova aparência, pois a medida em que o cenário da história vai se transformando com seus personagens, faz-se necessário mudar também a forma de abordá-los. Há hoje tantas coisas que não havia algum tempo atrás, como a forte ação da mídia, por exemplo.

É nesse contexto que surgem as NOVAS COMUNIDADES, como uma resposta de Deus aos desafios dos nossos dias, quando a sociedade vem sido tomada por fortes tendências pagãs, sofrendo com o esfriamento da fé e o secularismo esmagador.

O Concílio Vaticano II pedia uma Igreja inserida no mundo, uma Igreja “em saída” como escreveu, recentemente, o Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium.  São João Paulo II, também, em seu papado, pediu à Igreja uma “Nova Evangelização”, com “novo ardor, novos métodos e nova expressão”. Esse novo frescor, cheio de cores, sons, cheiros e sabores - "primavera na Igreja" - que desperta os sentidos e a alma para a vida santa, vem acontecendo através das Novas Comunidades, pois há nelas um forte e íntegro compromisso de viver a radicalidade evangélica dentro da consagração a Deus, em um carisma específico e particular dado por Ele mesmo, para a santificação de seus membros e do mundo.

Esse comprometimento dos fiéis, na vida consagrada, já visa por si só dar testemunho de Cristo no mundo. Mas a vivência da consagração, dentro de uma nova comunidade, exige muito mais, exige forte atividade missionária e apostólica, pois compreende que é preciso anunciar o Reino “sempre e em qualquer lugar” – Ubicumque et semper (Carta Apostólica com a qual se instituiu o Pontifício Conselho para a promoção da Nova Evangelização, Papa Bento XVI). A vida de um membro consagrado de comunidade nova é uma entrega total a Deus, a exemplo de Jesus mesmo. Seu tempo, seus projetos, sua disponibilidade, sua vontade, tudo, está a serviço; ele encontra sua vocação e sentido de vida, sua felicidade.

Nas Novas Comunidades, Jesus é amado, servido e adorado verdadeiramente como Senhor e Salvador. Os Sacramentos são vividos com toda a intensidade e plenitude; sobretudo, a Confissão e a Eucaristia são amadas e desejadas. A adoração do Santíssimo, já há muito é realizada nelas. Os carismas particulares são os mais variados em cada uma delas: algumas se dedicam a recuperar jovens com a dependência química; outras se dedicam aos mendigos e abandonados; outras se dedicam à evangelização pelos meios de comunicação, dança, teatro, musicais, ou seja, artes em geral e esportes; e, muitas coisas mais.

Nas Comunidades Novas a hierarquia da Igreja é amada; a sua necessidade é entendida; e trabalha-se em comunhão com ela. As novas comunidades são uma riqueza da Igreja que o Espírito suscita para evangelizar todos os ambientes e setores, como empresas e universidades, sendo aí luz, sinal do Cristo vivo, por possuírem uma capacidade de diálogo com o mundo que renovam a Igreja.

A esta Santa Mãe, a Igreja, deve-se muito amor, gratidão e fidelidade, pois fecundada, constantemente, pela ação e manifestação do Espírito Divino, nunca se cansa de gerar novos filhos com as mais diversas vocações.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at