Google+ Tratado do amor de Deus ~ Comunidade Encontro

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Tratado do amor de Deus

Contendo alguns avisos para o progresso da alma no santo amor.


1.    O progresso no santo amor não depende de uma inclinação natura à isso - muito ama quem sente dificuldades de progredir no amor e busca superar essas dificuldades, para aquele que possui uma predisposição a ser mais amoroso deste é exigido buscar amar sempre mais e mais;

2.    É preciso ter um desejo contínuo de amar - “morra eu do teu amor, ó amigo do meu coração, que te dignaste de morrer por meu amor” (São Francisco);

3.    Para obter o desejo contínuo é preciso moderar os outros desejos – quem pretende o divino amor deve cuidadosamente reservar para isso seu tempo, seu espírito e seus afetos;

4.    As ocupações legítimas não nos impedem de praticar o divino amor – muitos reis e santos com suas diversas ocupações não deixavam de louvar a Deus e progredir no amor; e o próprio cumprimento fiel das obrigações legítimas é muito agradável à Deus;

5.   Empregar todas as ocasiões na prática do amor -...não é uma tentação extrema ser tão valente em imaginação, e tão covarde na execução?... As grandes obras nem sempre estão no nosso caminho, mas a todas as horas podemos fazer pequenas excelentemente, isto é, com grande amor... Certamente nos baixos e miúdos exercícios de devoção, a caridade pratica-se não só mais frequentemente, como também mais humilde, útil e santamente.

6.    É preciso ter o cuidado de fazer as ações perfeitamente - ...Também há almas que fazem muitas obras boas e crescem muito pouco em caridade, porque as fazem ou fria e frouxamente, ou por instinto e inclinação de natureza, mais do que por inspiração de Deus ou fervor celeste; ao contrário, há outras que fazem pouca obra, porém com uma vontade e intenção tão santa, que fazem um progresso extremo em dileção: têm pouco talento, mas administram-no tão fielmente, que o Senhor as recompensa por isso largamente;

7.    O meio geral para que as obras (ações) sejam realizadas no serviço de Deus -  tudo o que for feito, ser feito em nome de Jesus (Col 3,17; I Cor 10,31), a caridade esteja presente na intenção de nossas ações de forma natural (ex: a ação de um filho com seu pai) e os méritos de nossas ações sejam devolvidos a Deus.

8.    Outros meios para aplicarmos nossas obras ao amor de Deus – a renovação diária do nosso vigor e disposição à vida virtuosa através da recitação das jaculatórias, elevações do coração, retiros, santos exercícios. A aceitação de bom grado de tudo aquilo que o Bom Deus enviar sejam delícias, consolações, sejam provações a ponto de ter a coragem de rezar esta oração de Santo André (que foi usada também por São Carlos): Saúdo-te, ó Cruz preciosa! Saúdo-te, ó tribulação venturosa! Ó aflição santa, como és amável, já que saíste do seio amável desse Pai de eterna misericórdia, que te quis de toda eternidade, e te destinou para este caro povo e para mim! Ó Cruz! Meu coração te quer, já que te quis o coração de meu Deus. Ó cruz! Minha alma te ama e te abraça com toda a sua dileção.

9.    Devemos sacrificar o nosso livre arbítrio – "sai de tua terra ...e vem pra terra que eu te mostrar..."(Gn 12,1) (Heb 11,18), "...toma Isaac teu filho único..."(Gn 22,1ss). Ó livre arbítrio de meu coração! Que boa coisa vos será serdes atado e estendido na cruz do divino Salvador! Que coisa desejável vos é morrerdes a vós mesmo, para arderdes para sempre em holocausto ao Senhor! Nós temos a liberdade de fazer o bem e o mal: porém escolher o mal não é usar, e sim abusar, dessa liberdade.

10.  O monte Calvário é a verdadeira academia da dileção – Viva Jesus cuja morte mostrou quanto o amor é forte! O monte Calvário é o monte dos amantes. Todo amor que não tira sua origem da paixão do Salvador é frívolo e perigoso.

ORAÇÃO


Ó amor eterno! Minha alma vos reclama e vos escolhe eternamente. Oh! Vinde, Espírito Santo, e inflamai nossos corações do vosso amor. Ou amar ou morrer: morrer e amar. Morrer a qualquer outro amor, para viver para o amor de Jesus, a fim de que não morramos eternamente, mas, vivendo no vosso amor eterno, ó Salvador de nossas almas, cantemos eternamente: Viva Jesus! A Jesus amo. Viva Jesus a quem amo! Amo a Jesus que vive e reina pelos séculos dos séculos. Amém.


Fonte: Escritos de São Francisco de Sales

0 comentários: