Pular para o conteúdo principal

Encontre a alegria na Ressurreição

 A alegria pascal nos invade o coração. Mas de onde vem, afinal, a alegria deste período?

Muitos a confundem a alegria pascal com a alegria do Carnaval; mas esta é uma alegria efêmera, é a alegria de um prazer fugaz, é a alegria que dura o que duram as sensações de uma festa agitada, de uma refeição desmedida, de risos e gritarias sem sentido… O que é, pois, a alegria de que falamos aqui? Ensina-nos o Doutor Angélico que a alegria verdadeira está necessariamente ligada ao amor. Mas analisemos com cuidado o que significa “amar”, palavra tão mal usada e ainda pior vivida. O amor, se é autêntico, consiste antes de tudo em querer o bem da pessoa amada: de fato, é impossível amar e, ao mesmo tempo, não querer que esteja bem aquele a quem amamos. Contudo, se meditarmos com um pouco mais de atenção, veremos que isso ainda não é tudo o que pode dar de si um amor mais profundo. Podemos, por exemplo, “amar” o nosso time de futebol, porque lhe desejamos muitas vitórias. Trata-se, também aqui, de uma forma, imperfeita embora, de amor de benevolência; mas tampouco isso é amar com profundidade.

Por quê? Porque é próprio do amor verdadeiro, do amor digno de assim ser chamado, o desejo de unir-se ao outro. É o amor que um esposo tem à esposa, que a mulher tem ao marido. E é precisamente na união efetiva entre os amantes que surge a alegria. A verdadeira alegria, portanto, tem sua origem nestas duas coisas: de um lado, o amor que quer o bem do amado, quando ele está ausente, e quer unir-se a ele, quando o tem presente; de outro, o amor que finalmente se consuma na união entre dois corações. Por isso, podemos dizer, num primeiro sentido, que amamos a Jesus, ao nos alegrarmos com o grande bem da sua Ressurreição: o desprezado, o ferido, o morto e sepultado tornou à vida! E quem não se havia de alegrar se um amigo querido voltasse dos mortos para nos matar a saudade? É por isso que, ao longo do tempo pascal, fazemos eco aos gozos que enchem o Coração de Nossa Senhora, que vê seu Filho vivo e glorioso: Regina caeli, laetare, alleluia — “Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia”!

Mas, justamente por estar vivo, o Senhor não está mais ausente: se lhe queremos bem, porque o amamos, podemos com maior razão querê-lo perto e unido a nós, porque Ele está realmente conosco: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 20). É verdade que o não vemos, como o viam os Apóstolos, com olhos de carne; mas não é menos certo que, pelo mérito da fé, que não vê aquilo em que crê, temos a Cristo de uma maneira até mais especial do que tiveram os mesmos Apóstolos: estes o tinham ao lado, e nós o temos dentro do coração; estes o tinham ora aqui, ora ali, ora na Judeia, ora na Galileia, e nós o temos sempre e em todos os lugares. Ressuscitado e glorioso no céu, Cristo nos acompanha aonde quer que vamos, alcançando-nos docemente com o toque de sua graça, abraçando-nos com as batidas de amor do seu S. Coração. Se Ele, que nos ama mais do que amamos nós a Ele, assim está unido a nós, e se temos de fato o propósito firme de o amar acima de tudo, como não nos vamos alegrar? O nosso Amigo, o nosso Bem, o nosso grande Amado está realmente vivo, está realmente conosco: e Ele será, hoje e para sempre, a nossa única e verdadeira Alegria!

Uma feliz e santa Páscoa!

 

Fonte: padre pauloricardo.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at