Pular para o conteúdo principal

Não recue diante do medo

O medo da desgraça, muitas vezes, é pior do que a desgraça em si. O medo de sofrer é pior do que o sofrimento. É natural ter medo, é algo humano, mas devemos o enfrentar para que ele não paralise a nossa vida. Há muitas formas de ter medo: temos medo do futuro incerto, da doença, da morte, do desemprego, do mundo. O mundo nos paralisa e nos “implode” interiormente, perturba a alma, por isso é importante enfrentá-lo. Talvez ele seja uma das piores realidades de nossos dias.

Coragem não é a ausência do medo, mas sim a capacidade de avançar, apesar dele [medo]; de caminhar para frente, enfrentar as adversidades e vencer os medos. É isso que devemos fazer. Não podemos nos derrotar nem nos entregar por causa dos medos.

A maioria das coisas que temos medo que venham a acontecer acabam não acontecendo. E esse medo antecipado nos faz sofrer muito, preocupa-nos em demasia e nos faz perder horas de sono. No entanto, muitas vezes, acaba acontecendo o que menos esperamos. Então, sofremos, antecipadamente, sem nenhuma necessidade.

Medo real ou imaginário?

Precisamos policiar nossa mente, pois ela se solta e pode fabricar fantasmas assustadores, especialmente nas madrugadas. Os medos, em geral, são sombras imaginárias sem base na realidade.

Há pessoas que se sentem ameaçadas por tudo e por todos, dramatizam os fatos e fabricam tragédias. Precisamos acordar, deixar de nos torturarmos com essas fantasias e pesadelos imaginários; o que nos assusta é irreal. Quando amanhece, as trevas somem. Para onde vão? Não foram para lugar nenhum, simplesmente desapareceram, porque não existiam, não eram reais. Quanto menor o medo, menor o perigo. As aflições imaginárias doem tanto quanto as outras [reais].

Jesus sempre censurou os Seus discípulos quando eles ficavam paralisados pelo medo. Ele disse, muitas vezes, aos apóstolos “Não temas!”.

Pedro não manteve os olhos em Jesus

Quando Cristo chamou Pedro para vir a Seu encontro, andando sobre as águas do mar da Galileia, o discípulo foi, mas permitiu que o medo tomasse conta do seu coração; então, começou a afundar. Após salvá-lo, Jesus lhe perguntou: “Homem pobre de fé, por que duvidaste?” (Mt 14,31b).

Pedro sentiu medo, porque “olhou” para o vento e para a fúria do mar, em vez de manter os olhos fixos em Jesus. Esse também é nosso grande erro. Em vez de manter os olhos fixos em Deus, permitimos que as circunstâncias que nos envolvem nos amedrontem.

Não podemos, em hipótese nenhuma, abrigar o medo e o pânico na alma, nem lhes permitir que “durmam” conosco. Arranque-os pela fé, pela oração e por atos de vontade decididamente!

É claro que toda fé em Deus não nos dispensa de fazer a nossa parte. Não basta rezar e confiar, cruzando em seguida os braços, pois Deus não fará a nossa parte. Ele está pronto a mover todo o céu para fazer aquilo que não podemos fazer, mas não faz nada que podemos fazer.

Vivemos dizendo a Deus que temos confiança n’Ele, mas passamos o tempo todo provando o contrário, por nossas preocupações. Quando agimos com fé e confiança em Deus, Ele nos dá equilíbrio e luzes para agir, guiando-O e abrindo as portas para resolvermos o problema que o angustia. Se temos um problema, é porque ele tem solução, então, vamos a ela. Se o problema não tem solução, então, não é mais problema, é um fato consumado, o qual devemos aceitar.

Prof. Felipe Aquino / Fonte: cancaonova.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at