Pular para o conteúdo principal

Santo Agostinho: "A Páscoa é a festa da vida!"

Certamente, Agostinho celebrou a Páscoa ao longo de toda a sua vida. Não deixou de lembrar a noite de 24 para 25 de abril do ano 387, na qual ele recebeu o batismo e se revestiu de Cristo para ser uma nova criatura em Deus, tornando realidade as palavras que ele havia lido no códice do Apóstolo Paulo no jardim de Milão, obedecendo à voz que dizia: "Tolle, lege" (pegue e leia!), porque lá tinha recebido o convite para "despojar-se das obras das trevas e revestir-se com as armas da luz" (Rm 13,13).
A teologia batismal e o convite a viver com fidelidade o chamado à santidade recebido no batismo estarão sempre presentes em suas homilias e seus escritos. Da mesma forma o pensamento da celebração da Páscoa e o fato de celebrá-la todos os anos; não porque Cristo necessite morrer muitas outras vezes, mas para que, a cada ano, os fiéis façam memória do ocorrido, para que esqueçam a centralidade do mistério da ressurreição de Cristo na vida dos cristãos. Portanto, o que aconteceu uma vez definitivamente, se repete todos os anos para avivar a memória e a fé dos fiéis: "A repetição anual da solenidade é equivalente a uma repetição do que Cristo Senhor sofreu por nós na sua morte única. O que ocorreu apenas uma vez na história para a renovação da nossa vida é comemorada durante todo o ano para perpetuar a sua memória" (sermão 206,1).
Para santo Agostinho a Páscoa é a festa da vida. O cristão é chamado para morrer para sua vida de pecado e ressuscitar para uma nova vida, uma vida plena com Cristo. Então, no dizer de Santo Agostinho em um dos seus sermões de Páscoa, é necessário morrer para o homem velho e para o pecado, para viver em Cristo. Somente neste caminho, quando chegar a morte corporal, poderemos realmente viver com Deus: "Creia, você que já é batizado: a velha vida já morreu, a morte foi recebida na Cruz e sepultada no batismo. A vida antiga, na qual você experimentou o mal, foi enterrada. Ressuscite para a (vida) nova! Viva bem! Viva para viver! Viva de maneira que, quando você morrer, não morra" (s. 229 E, 3).
Por outro lado, a Páscoa foi para Santo Agostinho um tempo em que se antecipa a alegria da vida eterna com Deus, pois é o tempo de cantar Aleluia, ou seja, "Louvado seja Deus". Precisamente, o louvor será a principal ocupação dos bem-aventurados na abençoada vida eterna: "Com razão, meus irmãos, a Igreja mantém a antiga tradição de cantar o Aleluia durante estes cinquenta dias. Aleluia e louvor a Deus são a mesma coisa. Com ele nos é antecipado, simbolicamente, no meio de nossas fadigas, o que faremos em nosso descanso. Com efeito, quando, após o trabalho do tempo presente, chegarmos a ele, a nossa única ocupação será o louvor de Deus. Toda a nossa atividade se reduzirá no Aleluia. O que significa Aleluia? “Louvai ao Senhor”" (s. 252, 9).
O tempo da Páscoa é símbolo da vida eterna com Deus, onde o ser humano poderá desfrutar para sempre de Deus e louvá-lo. É, portanto, um tempo de esperança e de consolação, que antecipa, litúrgica e misteriosamente, a alegria eterna do céu, onde a pessoa poderá amar, louvar, contemplar a Deus e finalmente relaxar. Isto é o que Santo Agostinho ressalta em um dos seus sermões de Páscoa, antecipando, de alguma forma, a célebre frase que conclui sua obra A Cidade de Deus: "Façamos destes dias um símbolo do dia sem fim. Façamos do lugar da mortalidade um símbolo do tempo da imortalidade. Corramos para a casa eterna. Felizes são aqueles que vivem em sua casa, Senhor; te louvarão pelos séculos eternos. Diz a lei, a Escritura, a Verdade: precisamos chegar à casa de Deus que está nos céus. Ali nós entoaremos louvores a Deus, não apenas cinquenta dias, mas, como está escrito, pelos séculos dos séculos. Nós o veremos, o amaremos e o louvaremos; não desaparecerá a visão, nem se esgotará o amor, nem se calará o louvor. Tudo será eterno, nada terá fim" (s. 254, 8).

Para Agostinho, o Aleluia torna-se um viático para caminhante e para o peregrino da cidade de Deus. Poder cantar o Aleluia no tempo presente é um incentivo e encorajamento para continuar percorrendo o caminho com alegria, apesar das dificuldades e problemas, sabendo que somos aguardados pelo Reino eterno e a pela vida eterna com Deus. O Aleluia é, pois, um canto de peregrinos, de viandantes que sabem que nesta terra eles não têm morada perpétua e se destinam a Deus: "Também neste tempo de nossa peregrinação cantemos Aleluia como viático para nosso conforto; o Aleluia é agora, para nós, canção dos viajantes. Por um caminho cansativo, avançamos para a pátria, um lugar de paz, onde, depostas todas nossas ocupações, teremos não mais do que o Aleluia" (s. 255, 1).
De fato os cinquenta dias do tempo da Páscoa são interpretados por Agostinho simbolicamente, como a soma de quarenta, representando o trabalho e a fadiga da vida contemporânea, à qual deve ser adicionado o dez do denário prometido aos trabalhadores fieis e perseverantes que trabalham na vinha do Senhor. Por isso o tempo pascal para santo Agostinho tem um sentido profundamente escatológico, como ele costuma repetir em muitos de seus sermões: "Mas, uma vez tenhamos vivido santamente o número quarenta, ou seja, uma vez que vivemos santamente nesta dispensação temporária, caminhando em conformidade com os preceitos de Deus, receberemos como salário o denário que corresponde aos fiéis (…). Portanto, acrescente o salário do denário ao número quarenta santamente vivido e surgirá o número cinqüenta, que simboliza a futura Igreja, onde Deus será louvado para sempre" (s. 252, 11).
E dentro deste simbolismo pascal, se multiplica cinquenta por três, número da Trindade e se adiciona três, obtendo-se, assim, cento cinquenta e três, o número de peixes apanhados pelos Apóstolos após a ressurreição de Cristo na pesca milagrosa: "Mas, como todos foram chamados à vida santa do número quarenta em nome da Trindade e a receber o denário, multiplique o número cinquenta por três e se obterá cento e cinquenta. “Acrescente-lhe o mistério da Trindade e terá cento e cinquenta e três, o número de peixes que foi pego na direita” (s. 252, 11).
Finalmente, a Páscoa é para santo Agostinho, entre outros elementos que poderíamos destacar, um tempo de alegria, sabendo que a morte não é o fim, mas, depois da morte vem a ressurreição e a vida. Por isto assinala santo Agostinho que os cinquenta dias pascais constituem um momento de alegria e felicidade que deve empapar toda a existência do cristão: "Estes dias que se seguem à paixão de nosso Senhor, e nos quais cantemos o Aleluia a Deus, são para nós dias de festa e alegria" (s. 228, 1).

Fonte: Agostinianos Recoletos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at