Pular para o conteúdo principal

Meditações: Sábado na Oitava da Páscoa

Reflexão para meditar no sábado da oitava da Páscoa. Os temas propostos são: Jesus chama a todos a serem apóstolos; Deus conta com as nossas fortalezas e com as nossas fraquezas; Encontrar força em Cristo Ressuscitado.

  • Jesus chama a todos a serem apóstolos
  • Deus conta com as nossas fortalezas e com as nossas fraquezas.
  • Encontrar força em Cristo Ressuscitado.

A PRIMEIRA aparição do Ressuscitado foi a Maria Madalena. Assim nos conta o evangelista Marcos. Depois, Jesus acompanhou os discípulos a Emaús e, finalmente, apresentou-se aos onze apóstolos (cf. Mc 16.9-15). Em todas essas aparições, Jesus quis devolver-lhes a paz, despertar a sua fé e avivar a missão apostólica para a qual foram chamados. É verdade que, quando o Mestre mais precisava deles, seus discípulos se deixaram levar pela covardia. Mesmo depois da ressurreição, eles ainda estavam confusos e cheios de dúvidas. Cristo, quando apareceu diante dos onze, “repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado(Mc 16,14).

Apesar de tudo, Jesus não hesitou em confirmá-los na sua vocação: foram escolhidos para serem suas testemunhas, não queria substituí-los por outros. Aquela visita termina com uma atribuição divina: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15). Sobre eles recai o dom de serem chamados à missão apostólica, ainda que não sejam especialmente fortes nem se destaquem por uma especial preparação. É assim que entendemos a comoção provocada por Pedro e João quando, semanas depois, curaram um paralítico: pois “ficaram admirados ao ver a segurança com que Pedro e João falavam, pois eram pessoas simples e sem instrução(At 4, 13).

Os apóstolos, com seus dons e seus defeitos, serão “pescadores de homens” enviados a todos os mares da terra. Dessa forma, todos perceberão que a salvação é obra de Deus. “Todo homem é uma missão e por isso vive na terra (...). O fato de estarmos neste mundo sem uma decisão prévia nossa, faz-nos intuir que existe uma iniciativa que nos precede e nos chama à existência. Cada um de nós é chamado a refletir sobre esta realidade: ‘Sou uma missão nesta terra e para isso estou neste mundo’”.

SÃO PAULO entendeu bem o que significa ser apóstolo de Jesus Cristo e o expressou com estas palavras: “Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque, quando me sinto fraco, então é que sou forte” (2 Cor 12, 9-10). A própria fraqueza pode ser uma força para o discípulo, porque quando nos encontramos sem nenhum recurso próprio, descobrimos que possuímos o maior dom, que sempre permanece: Deus que se dá inteiramente a nós. É por isso que o Apóstolo das Gentes se glorifica em suas fraquezas. “Não se gloria das suas obras, mas da atividade de Cristo que age precisamente na sua debilidade”.

Ao anunciar a mensagem de Cristo, a experiência da nossa própria vulnerabilidade não deve nos fazer tremer, desde que tenhamos uma atitude humilde e de total confiança na ação de Deus. A evangelização realizada pela Igreja é d'Ele e não nossa. Como São Paulo, sentimo-nos “um vaso de barro” (2 Cor 4,7), que Deus enche com o tesouro da sua graça, recebendo assim, em seu interior, sem nenhum merecimento, joias de valor inestimável.

O Reino de Deus não se realiza graças apenas a uma boa estratégia humana, nem se baseia apenas na nossa capacidade para enfrentar novos desafios. Embora tudo isso, certamente, possa fazer parte da nossa colaboração, é em Deus que encontramos a força e o conhecimento para a nossa missão. O Senhor nos associa ao seu reinado, porque quer contar conosco para estendê-lo: isso é impressionante. “Na medida em que aumenta a nossa união com o Senhor e se faz intensa a nossa oração, também nós vamos ao essencial e compreendemos que não é o poder dos nossos meios, das nossas virtudes e das nossas capacidades que realiza o Reino de Deus, mas é Deus que realiza maravilhas precisamente através da nossa debilidade, da nossa inadequação ao encargo”.

IDE pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! (Mc 16,15). Este é o mandato imperativo do Mestre. Estavam reunidos na mesma casa, talvez ao redor da mesma mesa, em que Jesus lhes havia dado sua carne para comer e seu sangue para beber. Os apóstolos não se justificaram por sua falta de fidelidade ou fortaleza. Também não se desculparam com o Senhor Ressuscitado, embora certamente pensassem que a missão era excessiva. Como se sentiriam ao ouvir essas palavras de Jesus? Certamente sentiram vertigem diante de uma mensagem tão ambiciosa. Vamos chegar ao mundo inteiro – se perguntariam eles – quando nem na nossa cidade soubemos dar a cara?

Olhando apenas para si mesmos, era fácil se convencer de que essa missão era uma utopia. Mas olhando para o Ressuscitado, tudo mudava: repararam nas palmas das suas mãos, no seu lado, no seu olhar. Se Jesus quisesse que eles percorressem todo o mundo, eles o fariam em seu nome. Para cumprir essa missão, São Josemaria propunha um itinerário: “Conhecer Jesus Cristo, torná-lo conhecido, levá-lo a todos os lugares”. Esta missão, que diz respeito a todos os batizados, realiza-se em primeiro lugar deixando-nos atrair por Ele. “Deixem-se amar por Ele e serão as testemunhas de que o mundo tanto precisa”. Como no caso de São Pedro, a própria experiência do amor do Senhor é o ponto de partida para atrair os outros a esse amor: “Não podemos deixar de falar daquilo que vimos e ouvimos” (At 4, 20).

A fé cresce por meio do testemunho pessoal, é fortalecida na missão. Desta forma, temos a certeza de que tornar Jesus conhecido é o presente mais precioso que podemos oferecer. Maria nos encoraja, como boa mãe, para que com a graça de Deus saibamos dar o melhor de nós mesmos.

Fonte: Opus Dei

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at