Pular para o conteúdo principal

Como São Paulo, não fique de braços cruzados!

 
A oração não pode tornar-se algo acessório, um simples hábito desvinculado do restante de nossa vida; antes, pelo contrário, tem de ser o motor que nos tire do nosso comodismo e nos impulsione a ir ao encontro dos demais, numa vida de apostolado e verdadeira caridade fraterna.

Embora já tenhamos acenado para isso, precisamos explicar, com clareza e insistência, o que nos faz progredir na vida espiritual e tornar-nos verdadeiramente santos.

Não é o tipo de oração que estamos fazendo, mas o tipo de vida que estamos levando que nos conduzirá à santidade. Por isso, se estamos seguindo todos os conselhos dados até aqui, e a nossa vida não mudou nada, é porque há algo de profundamente errado no nosso jeito de rezar. Provavelmente, temos que reformular alguma coisa, pois a oração bem feita necessariamente nos conduz a uma mudança de vida.

Para nós, cristãos, ao contrário de outras religiões, o sentido da oração e da meditação está no fato de que elas vão nos transformando e configurando a Cristo, de forma que um dia possamos dizer com S. Paulo: “Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20).

Se olharmos para os grandes exemplos espirituais, como o próprio S. Paulo, veremos que a oração é um preâmbulo indispensável para o apostolado. Depois de ter sido “atropelado” por Jesus no caminho de Damasco e ter-se convertido ao cristianismo (cf. At 9, 1ss), o Apóstolo dos gentios foi para o deserto da Arábia, onde teve uma intensa vida de oração (cf. Gl 1, 15–17). Após esse tempo de recolhimento com o Senhor, ele retornou para Damasco, onde começou a evangelizar (cf. At 9, 20-22). Como bem sabemos, ao longo de seu apostolado, S. Paulo se consumiu pela salvação dos irmãos, pois, conforme suas próprias palavras: “Caritas Christi urget nos” — “o amor de Cristo nos impele” (2Cor 5,14).

O amor de Cristo faz com que nos deixemos consumir pela salvação dos irmãos. E isso nos leva a um ponto decisivo: tudo o que ensinamos até aqui nos conduz até a terceira morada. Se tivermos uma vida de oração perseverante, como descrevemos, iremos progredir no máximo até a terceira morada, onde então ficaremos estagnados, de tal modo que: ou somos socorridos por Deus, ou não conseguiremos progredir.

Mas o que, afinal, podemos fazer enquanto estamos estagnados espiritualmente? Perseverar na oração, e sobretudo, impelidos pelo amor a Cristo, desenvolver um apostolado para a salvação das almas. Se continuamos rezando, mas não nos doamos amorosamente aos irmãos, não iremos progredir.

Como mencionamos na aula anterior, a vida de apostolado é fundamental, porque ajuda a colocar em ordem as nossas paixões. Para compreender isso, precisamos entender que a nossa vida interior está dividida em três “andares”: a) no mais elevado, estão a inteligência e a vontade, faculdades que utilizamos durante a oração; b) abaixo delas estão as fantasias, que podem ser dominadas por meio das virtudes; c) e por fim, na parte inferior, estão as paixões desordenadas, às quais não temos acesso durante a oração e a meditação, pois só conseguimos ordená-las na vida cotidiana, por meio de ações concretas, renunciando a nós mesmos para combater o egoísta que está dentro de nós.

Por isso, se somos verdadeiramente cristãos e profundamente contemplativos, seremos necessariamente apostólicos. É impossível escolher entre uma vida apostólica e uma contemplativa. Precisamos seguir o caminho trilhado por S. Paulo: a primeira morada da conversão; a segunda morada da oração no deserto da Arábia; e depois, como terceira morada, uma vida de quem verdadeiramente se entregou pelos irmãos num apostolado fervoroso. Com isso, não estamos dizendo que S. Paulo estava apenas na terceira morada quando começou o seu apostolado; mas estamos fazendo uma analogia com esse grande Apóstolo, para mostrar que este é o caminho para todos nós, pois nos fará verdadeiramente contemplativos na ação.

Portanto, não invertamos a ordem da caminhada espiritual. Não comecemos com o apostolado para depois rezar; tampouco queiramos ter uma vida de oração que espera de braços cruzados a santidade, para um dia, quem sabe, ter um apostolado. Nada disso produz frutos. Precisamos obedecer a seguinte ordem: primeiro a conversão; depois a oração; e então, o apostolado. Mas não devemos esperar muito para agir, sob o risco de nos acomodarmos. Ao estabelecer uma vida de oração constante, já podemos “arregaçar as mangas” para levar os outros para Cristo; porque, se na nossa vida de oração amamos Jesus, demonstraremos esse amor dando a Ele irmãos convertidos e santos.

Pe. Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at