Pular para o conteúdo principal

Conheça Santa Gianna, a mulher que morreu para não abortar

Gianna Beretta Molla nasceu em Magenta (Milão, Itália), no dia 4 de outubro de 1922. Desde a sua primeira juventude, acolheu plenamente o dom da fé e a educação cristã recebidos dos seus pais. Essa formação religiosa ensinou-lhe a considerar a vida como um dom maravilhoso de Deus, a ter confiança na Providência e a estimar a necessidade e a eficácia da oração.

Durante os anos de estudos na Universidade, enquanto se dedicava diligentemente aos seus deveres, vinculava sua fé a um compromisso generoso de apostolado entre os jovens da Ação Católica de caridade para com os idosos e para com os necessitados nas Conferências de São Vicente.

Graduada em medicina e cirurgia em 1949 pela Universidade de Pavia (Itália), abre seu consultório médico em Mêsero (nos arredores de Milão), em 1950. Especializa-se em pediatria na Universidade de Milão em 1952 e, entre seus clientes, demonstra especial cuidado para com as mães, as crianças, os idosos e os pobres.

Enquanto exercia sua profissão de médica, considerando-a uma verdadeira missão, aumentava o seu generoso compromisso para com a Igreja Católica e dedicava-se intensivamente em ajudar as adolescentes.

Vocação: matrimônio

Por meio da oração pessoal, Gianna questiona-se sobre a sua vocação, considerando-a como dom de Deus. Ela opta pela vocação matrimonial, que abraça com entusiasmo, assumindo total doação “para formar uma família realmente cristã”, em suas palavras.

Inicia seu noivado com o engenheiro Pietro Molla e prepara-se para o matrimônio com expansiva alegria. Ao Senhor tudo agradece e ora. Na basílica de São Martinho, em Magenta, os noivos casam-se em 24 de setembro de 1955. Gianna transforma-se em uma mulher plena e totalmente feliz. Em novembro de 1956, já é a radiosa mãe de Pedro Luís; em dezembro de 1957, de Mariolina e, em julho de 1959, de Laura. Com simplicidade e equilíbrio, harmoniza os deveres de mãe, de esposa e médica.

“Gianna era uma mulher esplêndida, mas absolutamente normal. Era bonita, inteligente. Gostava muito de sorrir. Era uma mulher moderna, elegante. Dirigia, amava a montanha e esquiava muito bem. Amava as flores e a música. Gostava muito de viajar. Uma mulher como tantas outras, mas com alguma coisa a mais: uma grande piedade e uma indiscutível confiança na Providência. Esta confiança ela nunca a abandonou, nem mesmo nos seus últimos meses de vida.” (Pietro Mollaesposo)

A frase dita pelo seu esposo, Pietro Molla, descreve a simplicidade da santidade de Gianna, confirmando o que ela mesma declarou: “Sempre me ensinaram que o segredo da felicidade é viver cada momento, e agradecer ao Senhor por tudo que Ele, na sua bondade, concede dia após dia. Por isso, o coração no céu e vivamos felizes.”

Viver na Providênciasanta gianna filhos

Santa Gianna levava uma vida normal: era médica, esposa e mãe de quatro filhos. Em seus papéis e funções habituais, era exatamente onde se revelavam as suas virtudes.

Sua história demonstra que tudo é um meio para viver a vontade divina. “Viver a Providência é aceitar a vontade de Deus em nossas vidas”, dizia. Neste sentido, a grande confiança em Deus de Santa Gianna poderá enriquecer as nossas vidas nos dando a sabedoria de unir, a cada momento, as nossas escolhas ao que é eterno: confiar em Deus.

Confiar é abandonar-se a uma pessoa, e não aos próprios desejos ou ao destino. Existe um projeto de Deus para cada um de nós. Muitas vezes fazemos muitos projetos, temos muitos objetivos e sonhos. Sempre teremos ocupações, mas, a pergunta a ser feita é se isso nos levará a Deus e aos outros. Santa Gianna vivia diariamente essa providência, sempre acolhendo a vontade de Deus.

“A santidade é o cotidiano da vida vivida à luz de Deus.” (Santa Gianna)

Com os seus pacientes, ela tinha uma maneira especial de atendê-los, ouvindo as suas dores e necessidades. Após a sua morte, foi descoberto que eles não saíam do consultório sem que seus problemas tivessem sido resolvidos. Gianna procurava emprego aos que não tinham ou doava remédios aos necessitados.

A sua cruz: Fonte de vida

Em setembro de 1961, no final do segundo mês de gravidez, Gianna vê-se atingida pelo sofrimento e pela dor. Aparece um fibroma no útero. Antes de ser operada, embora sabendo o grave perigo de prosseguir com a gravidez, suplica ao cirurgião que salve a vida que traz em seu seio e, então, entrega-se à Divina Providência e à oração.

Com o feliz sucesso da cirurgia, agradece intensamente a Deus a salvação da vida do filho. Ela passa os sete meses que a distanciam do parto com admirável força de espírito e com a mesma dedicação de mãe e de médica. Apenas receia que seu filho possa nascer doente e suplica a Deus que isto não aconteça.

Alguns dias antes do parto, sempre com grande confiança na Providência, demonstra-se pronta a sacrificar a sua vida para salvar a do filho: “Se deveis decidir entre mim e o filho, nenhuma hesitação: escolhei – e isto o exijo – a criança. Salvai-a.”

Na manhã de 21 de abril de 1962, nasce Joana Manuela. Apesar dos esforços para salvar a vida de ambos, na manhã de 28 de abril, em meio a atrozes dores e após ter repetido a jaculatória “Jesus, eu te amo, eu te amo”, Gianna morre santamente. Tinha 39 anos.

Seu funeral transformou-se em grande manifestação popular de profunda comoção, de fé e de oração. A santa repousa no cemitério de Mêsero, distante 4 quilômetros de Magenta, nos arredores de Milão (Itália).

Imolação meditada

Meditata immolazione” (imolação meditada), assim Paulo VI definiu o gesto da Beata Gianna recordando, no Ângelus dominical de 23 de setembro de 1973, “uma jovem mãe da Diocese de Milão que, para dar a vida à sua filha, sacrificava, com imolação meditada, a própria.”

É evidente, nas palavras do Santo Padre, a referência cristológica ao Calvário e à Eucaristia.

Gianna Beretta Molla foi beatificada por João Paulo II no dia 24 de abril de 1994, Ano Internacional da Família. Foi canonizada em 2004.

Cronologia

1922 – Magenta –   4 de outubro nasce em  Magenta.

11 de outubro é batizada com o nome de Giovanna Francesca.

1925 -Bérgamo –  3 anos – A família se muda para Bérgamo.
1928 -Bérgamo – 5 anos – Faz a Primeira Comunhão no dia 4 de abril na paroquia de Santa Grata e começa a frequentar a escola elementar.
1930 – Bérgamo – 8 anos – No dia 9 de junho Crisma no Duomo em Bérgamo.
1937- Gênova -15 anos – A familia se muda para  Quinto al Mare.

16 -18 de março faz um Retiro Espiritual  nas irmãs Dorotéias.
1942 – Gênova-20 anos – 29 de abril morre sua mãe aos 55 anos.

10  de setembro   morre seu pai aos 60 anos.

1949 – Magenta -27 anos – 30 de novembro  se forma em  Medicina.
1950 -Magenta – 28 anos – 1 de julho – abre um consultório em Mesero.
1952 – Magenta -30 anos – 7 de julho se especializa em pediatria.
1954 – Magenta -32 anos – 8 de dezembro – primeiro encontro  significativo com  Pietro.
1955 -Magenta – 33 anos- 11 de abril  noivado oficial na capela  da Madre Canossiane.

24 de setembro – Matrimonio na Basílica de Magenta

1956- Ponte Nuovo – 34 anos – 19 de novembro – Nasce PierLuigi.
1957 Ponte Nuovo – 35 anos – 11 de dezembro – Nasce Maria  Zita, chamada Mariolina.
1959  – Ponte Nuovo – 36 anos – 15 de julho – Nasce Laura.
1961- Ponte Nuovo – 39anos – 6 de setembro: operação para a redução de um fibroma (Hospital de Monza em Milão).

1962 – Ponte Nuovo – 39 anos- No dia 21 de abril nasce Gianna Emanuela.

No dia 28 de abril morre Santa Gianna em sua casa em Ponte Nuovo.

No dia 30 de abril celebram  o funeral a Ponte Nuovo na capela paroquial Campo Santo. Foi sepultada em Mesero.

1972 -Milão –  6 de novembro: São iniciados os procedimentos em vista da canonização.

1977 – Maranhão  – Em Grajaus – estado do Maranhão, Brasil, acontece o primeiro milagre.
1980 – Vaticano -28 abril – o Cardeal Carlo Maria Martini decreta o começo da Causa de beatificação.
1994 – Vaticano – 24 de abril  Gianna é proclamada Beata  pelo Papa Joao Paulo II.
1999 – 2000- Franca – em Franca, São Paulo,  Brasil acontece o segundo  milagre.
2004 – Vaticano – 16 de maio: Gianna é declarada Santa.

________________

Santa Gianna, rogai por nós!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at