Pular para o conteúdo principal

É pecado quebrar a penitência quaresmal?


Por ocasião da Quaresma, muitos católicos têm o costume de fazer propósitos penitenciais, mas são poucos os que conhecem a natureza e a seriedade destes votos, que são um compromisso assumido livremente diante de Deus. Afinal, é pecado grave descumprir as promessas de Quaresma?

Muitos católicos têm o costume de fazer propósitos penitenciais, que na linguagem canônica recebem o nome de votos. Em sentido técnico, é voto toda promessa deliberada e livre feita a Deus (CDC, cân. 1191), com o fim de o louvar e glorificar de alguma maneira concreta. Enquanto promessa, o voto supõe a vontade de se obrigar a fazer ou omitir algo como, v.gr., rezar o Terço todos os dias ou abster-se de carne às quartas-feiras. Para ter valor, é necessário que a promessa verse sobre um objeto possível e melhor, quer dizer, sobre um bem que possa honrar a Deus e ser-lhe aceito e que o vovente esteja em condições de cumprir. Assim, há quem se obrigue a não tomar refrigerante durante a Quaresma, a rezar alguns minutos a mais por dia, a visitar em peregrinação um santuário mariano etc.

Pois bem, é pecado grave quebrar uma penitência quaresmal, ou seja, um voto privado? Para responder a essa pergunta, é preciso ter em mente que o voto é uma forma de “autolegislação”, isto é, um compromisso assumido diante de Deus cujos termos são determinados pelo próprio vovente. Isso significa que está nas mãos de quem promete escolher a que cláusulas se estará vinculando: se em todos os dias de Quaresma, se apenas às quartas e sextas-feiras; se deixará de beber todo tipo de refrigerante, se apenas o de uma ou outra marca; se rezará dez ou quinze minutos a mais; se irá em peregrinação a pé ou de carro, etc. etc. Por esta mesma razão, o vovente tem a liberdade de se obrigar ou não diante de Deus sob pena de pecado grave, o que na linguagem dos moralistas se chama “obrigação sub gravi”.

Ora, uma vez que o voto, como todos os contratos firmados, deve ser cumprido (cf. CDC, cân. 1191), é evidente que os fiéis não devem ser encorajados a emitir votos sob pena de pecado mortal, sem uma prudente deliberação e a consulta prévia a um diretor espiritual que os aconselhe e possa acompanhar. Quem se obriga diante de Deus sob pena de pecado grave, está assumindo por sua própria vontade o risco de pecar mortalmente ao deixar de cumprir, seja por desleixo ou inconstância, a promessa feita. Por isso, “mais vale não fazer voto”, obrigando-se temerariamente sub gravi, do “que prometer e não ser fiel à promessa” (Ecle 3, 4; cf. Dt 23, 22; Nm 30, 3).

E quem, por leviandade, descuido ou desconhecimento, já “assinou o contrato”, obrigando-se sub gravi? Neste caso, é preciso recorrer ao Ordinário do lugar ou ao próprio pároco, a quem compete a autoridade de dispensar por justa causa dos votos privados aos seus fiéis e aos peregrinos que se encontram nos limites de sua jurisdição (cf. CDC, cân. 1196). Quanto aos que, sem se terem obrigado sub gravi, acabam descumprindo a promessa feita, incorrem eles em pecado venial e, como todos os fiéis, são chamados a pedir a Deus uma vontade firme e constante, que ajudada pela graça se torne capaz de oferecer ao Senhor as pequenas coisas que podem fazer da nossa vida um culto perpétuo à grandeza e à majestade divinas.

Pe. Paulo Ricardo 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at