Pular para o conteúdo principal

Iraque, o Papa às autoridades: calem as armas, é hora de cooperar em harmonia

Em seu primeiro discurso no Iraque, no palácio presidencial em Bagdá, Francisco pede o fim da "violência, extremismo, facções e intolerâncias", para que depois de guerras e pandemias o futuro do país seja construído sobre os direitos garantidos a todos os cidadãos : "Ninguém é considerado cidadão de segunda classe"
No Iraque, berço das grandes religiões, Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, "Cale a boca!", Apenas "violência, extremismo, facções e intolerâncias", e diferenças, ao invés de "dar origem a conflitos", cooperem "em harmonia no a vida civil ". O Papa Francisco, no primeiro discurso de uma visita "há muito esperada e desejada", a 150 representantes das autoridades iraquianas, da sociedade civil e do corpo diplomático, no salão do palácio presidencial em Bagdá, reitera os grandes temas do Abu Documento sobre a Fraternidade Humana Dhabi, da mais recente encíclica Fratelli tutti , para "construir o futuro" do país, depois das guerras e das pandemias, "mais no que nos une do que no que nos divide".

Incentivo aos cristãos por seu testemunho

O Papa, saudado pelo vôo de dezenas de pombas na grande praça do "Palácio da República", toma a palavra após o presidente iraquiano Barham Ahmed Salih Qassim, e lembra como a civilização nasceu no Iraque "intimamente ligada, através do Patriarca Abraão e numerosos profetas, para a história da salvação ”. Saudando a todos os presentes, ele destaca, antes de tudo, a vir "como peregrino" para encorajar os pastores, religiosos e fiéis da Igreja Católica "no testemunho de fé, esperança e caridade no seio da sociedade iraquiana". (Assista ao vídeo completo do encontro)

Para todas as religiões: caminhando juntos como irmãos e irmãs

Em seguida, dirigido aos representantes de outras Igrejas e comunidades eclesiais cristãs, do Islã e de outras tradições religiosas, Francisco espera que "Deus nos faça caminhar juntos, como irmãos e irmãs", com "forte convicção", reitera, citando o Documento sobre a fraternidade, “que os verdadeiros ensinamentos das religiões convidam a permanecer ancorados nos valores da paz, do conhecimento mútuo, da fraternidade humana e da convivência comum”.


Pandemia: compromisso comum, de vacinas para todos

O Pontífice recorda a seguir a luta global contra a crise pandêmica causada pela Covid-19, “que não só afetou a saúde de muitas pessoas, mas também provocou a deterioração das condições sociais e econômicas já marcadas pela fragilidade e instabilidade”. Uma crise que exige “esforços comuns” para as “muitas etapas necessárias”, como “uma distribuição justa de vacinas para todos”. E, citando todos os Irmãos , reitera a necessidade de “repensar nosso estilo de vida, o sentido de nossa existência” para “sair deste tempo de provação melhor do que antes” e “construir o futuro mais naquilo que nos une do que naquilo que divide nós ".

Guerras e terrorismo provocados pelo fundamentalismo

Em seguida, ele olha para o sofrimento do Iraque, o Papa Francisco, que, nas últimas décadas, "tem sofrido com os desastres das guerras, o flagelo do terrorismo e os conflitos sectários" muitas vezes causados ​​por "um fundamentalismo" que não aceita "a convivência pacífica de vários grupos étnicos e religiosos, de diferentes ideias e culturas ”. Aos frutos envenenados de "morte, destruição, escombros ainda visíveis", somam-se as "feridas do coração de muitas pessoas e comunidades, que levarão anos para cicatrizar". O Papa recorda o drama dos Yazidis, vítimas inocentes "de uma barbárie sem sentido e desumana", "perseguidos e assassinados" por sua filiação religiosa, colocando em risco sua "própria identidade e sobrevivência".

“A diversidade é um recurso, não um obstáculo a ser eliminado”

O convite urgente de Francisco é poder "olhar-se, com as nossas diferenças, como membros da mesma família humana", única forma de "iniciar um processo eficaz de reconstrução e deixar às gerações futuras um mundo melhor e mais justo. e mais humano ".

Nesse sentido, a diversidade religiosa, cultural e étnica que tem caracterizado a sociedade iraquiana por milênios é um recurso precioso a ser utilizado, não um obstáculo a ser eliminado. Hoje o Iraque é chamado a mostrar a todos, especialmente no Oriente Médio, que as diferenças, mais do que gerarem conflitos, devem cooperar em harmonia na vida civil.

A todas as comunidades religiosas "respeito, direitos e proteção"

O Pontífice esclarece a seguir que “a convivência fraterna requer um diálogo paciente e sincero, protegido pela justiça e pelo respeito do direito” e isso requer o empenho de todos “na superação das rivalidades e dos conflitos e na comunicação entre si” a partir do mais profundo e comum. “a dos filhos do único Deus e Criador”, como sublinhou o Concílio Vaticano II. E aqui o Papa Francisco recorda que a Santa Sé continua a apelar às autoridades, tanto no Iraque como em outros lugares, "para que concedam a todas as comunidades religiosas reconhecimento, respeito, direitos e protecção". Ele aprecia os esforços que o governo iraquiano já empreendeu e espera que eles "continuem em benefício do país".


Contra a pobreza, “responsável pela fragilidade alheia”

Depois, olhando para os mais vulneráveis ​​e necessitados da sociedade, o Papa pede que se desenvolva a virtude da solidariedade, «que nos leva a realizar gestos concretos de atenção e serviço», e pensa «em quem, por causa da violência, da perseguição e da o terrorismo perdeu familiares e entes queridos, lares e bens primários ”.

Mas penso em todas as pessoas que lutam todos os dias em busca de segurança e de meios para seguir em frente, enquanto o desemprego e a pobreza aumentam. “Saber que somos responsáveis ​​pela fragilidade alheia” deve inspirar todos os esforços para criar oportunidades concretas tanto a nível económico como no campo da educação, bem como para o cuidado da criação, nossa casa comum.

Na política, não à corrupção, abuso de poder e ilegalidade

Uma solidariedade fraterna que os dirigentes políticos e diplomáticos são “chamados a promover”, combatendo “o flagelo da corrupção, dos abusos de poder e da ilegalidade”, mas também construindo a justiça, aumentando a honestidade e a transparência. Só assim "pode ​​crescer a estabilidade e desenvolver-se uma política saudável" que ofereça a todos, especialmente aos muitos jovens iraquianos, "a esperança de um futuro melhor".

Chega de violência, facções e intolerâncias!

Francisco, portanto, se autodenomina um peregrino "penitente", que pede perdão "por tantas destruições e crueldades" e se lembra das muitas orações "nos últimos anos, pela paz no Iraque!". Fala de São João Paulo II, que “não poupou iniciativas e, sobretudo, ofereceu orações e sofrimentos por isso”, a quem “Deus sempre escuta! Cabe a nós escutá-lo, caminhar em seus caminhos ”.

Cala a boca das armas! Limite sua difusão, aqui e em qualquer lugar! Cesse os interesses de parte, aqueles interesses externos que não estão interessados ​​na população local. Dá voz aos construtores, aos artesãos da paz! Aos pequenos, aos pobres, às pessoas simples que querem viver, trabalhar, rezar em paz. Chega de violência, extremismo, facções, intolerâncias!

Ninguém é considerado cidadão de segunda classe

«Deve ser dado espaço - pede o Pontífice - a todos os cidadãos que querem construir juntos este país», no diálogo e no confronto sincero e construtivo, aos que se comprometem «pela reconciliação e pelo bem comum», deixando de lado os próprios interesses . Graças a eles, nos últimos anos, "o Iraque tentou lançar as bases para uma sociedade democrática".

Neste sentido, é fundamental assegurar a participação de todos os grupos políticos, sociais e religiosos e garantir os direitos fundamentais de todos os cidadãos. Ninguém é considerado cidadão de segunda classe. Encorajo os passos dados até agora neste caminho e espero que fortaleçam a serenidade e a harmonia.

Não interrompa a ajuda e assistência ao povo iraquiano

Uma promoção da paz na qual, frisa o Papa Francisco, “a comunidade internacional tem um papel decisivo”, no Iraque e em todo o Oriente Médio, inclusive na vizinha Síria, para um conflito que nestes dias “completa dez anos”. A “cooperação em escala global” é necessária para enfrentar também as “desigualdades econômicas e tensões regionais” que ameaçam a estabilidade dos países. E agradece aos Estados e às organizações internacionais que trabalham pela reconstrução do Iraque, pela “assistência aos refugiados, deslocados internos” e àqueles que procuram “regressar às suas casas”. Por isso recorda também as numerosas agências, muitos católicos, “que desde há anos ajudam com grande empenho as populações civis”.

Atender às necessidades essenciais de tantos irmãos e irmãs é um ato de caridade e justiça e contribui para uma paz duradoura. Espero que as nações não retirem ao povo iraquiano a mão estendida da amizade e do compromisso construtivo, mas continuem a operar em espírito de responsabilidade comum com as autoridades locais, sem impor interesses políticos ou ideológicos.

Permitir que os cristãos contribuam para a vida do Iraque

Em conclusão, o Papa volta a citar o Documento de Abu Dhabi, para reiterar que “o nome de Deus não pode ser usado” para “justificar atos de homicídio, exílio, terrorismo e opressão”. Porque Deus Criador "nos chama a difundir o amor, a benevolência, a harmonia". A Igreja Católica, também no Iraque, “deseja ser amiga de todos e, através do diálogo, colaborar construtivamente com as outras religiões, pela causa da paz”.

A presença ancestral dos cristãos nesta terra e o seu contributo para a vida do país constituem um rico património, que pretende poder continuar ao serviço de todos. A sua participação na vida pública, como cidadãos que gozam plenamente de direitos, liberdades e responsabilidades, testemunhará que um pluralismo religioso, étnico e cultural saudável pode contribuir para a prosperidade e harmonia do país.

Que o Todo-Poderoso o guie no caminho da sabedoria e da verdade

As últimas palavras do Papa no Palácio Presidencial são de "gratidão" às autoridades iraquianas por seu empenho em "construir uma sociedade baseada na unidade fraterna, na solidariedade e na harmonia". Com a oração ao Todo-Poderoso "para vos apoiar nas vossas responsabilidades e guiar-vos a todos no caminho da sabedoria, da justiça e da verdade".

Aperto de mão entre o Papa e o presidente iraquiano
Aperto de mão entre o Papa e o presidente iraquiano

Presidente Salih: Orgulhoso de nossa variedade de associações

«Estamos a curar as nossas feridas, e aqui o Senhor Santo Padre cura-as connosco». Assim, o presidente da república Salih, perante Francisco, agradeceu ao convidado em nome de todos os iraquianos, por não adiar a visita devido à pandemia e às difíceis condições do país. Iraquianos que, frisou, se orgulham de ter vivido, durante séculos, apesar das tiranias, "em cidades ricas em grande variedade de afiliações, onde vivem próximos uns dos outros em cidades ou bairros, muçulmanos, cristãos, judeus, sabeus e yazidis. , irmãos dos outros ". Com igrejas próximas a mesquitas e outros locais de oração.

Em Mosul, soldados muçulmanos e a cruz da igreja destruída

Barham Salih, que recordou "o importante papel" do Papa "no convite à paz, à justiça social e ao combate à pobreza", e seu generoso esforço "para afirmar o diálogo, a coexistência e a fraternidade humana", descreveu dois momentos de fraternidade entre os muçulmanos iraquianos e Cristãos. Após o ataque terrorista à Catedral Católica Síria de Nossa Senhora da Salvação em Bagdá, jovens muçulmanos manifestaram-se "lado a lado com jovens cristãos, seus irmãos", para defender as igrejas "da mesma forma que defenderiam suas casas e seus lugares sagrados" . E durante a libertação de Mosul, em uma igreja destruída por terroristas do ISIS, "soldados muçulmanos cobertos de poeira" levaram a cruz "aos ombros para trazê-la de volta ao seu lugar sagrado na igreja", enquanto seu oficial, de pé,

Combate ao terrorismo e ideologias extremistas

O presidente iraquiano reclamou então que "especialmente no Oriente", o mundo "está perdendo sua atitude para com o pluralismo, a diversidade e a aceitação da opinião do outro", e isso "alimenta o terrorismo e o incitamento à violência". Por isso “é fundamental continuar a combater as ideologias extremistas”, o melhor presente “que podemos dar ao futuro das nossas novas gerações”.

O discurso do Presidente da República Barham Salih
O discurso do Presidente da República Barham Salih

Iraquianos de todas as origens são vítimas de "guerras inúteis"

Em seu discurso, por vezes sincero, o presidente Salih lembrou "as guerras inúteis" de que o Iraque foi vítima por mais de duas décadas, com "centenas de milhares de iraquianos de todas as origens" "executados, assassinados e desaparecidos". Das "armas químicas" usadas por Saddam Hussein em Halabja, às "valas comuns nas cidades do sul e centro e o secamento dos pântanos e a terrível destruição do meio ambiente".

A violência do ISIS sobre todos, mas especialmente contra os cristãos 

E a guerra em Ísis com "cidades destruídas, economias aniquiladas, famílias deslocadas, mulheres escravizadas, igrejas arruinadas, campos queimados e monumentos preciosos saqueados", bem como violência "contra mulheres yazidis e turcomanas" e massacres que atingem "em igual medida, Muçulmanos, Cristãos, Yazidis, Sabeans, Kakais e outros membros da sociedade ”. Mas Barham Salih quis referir-se "em particular ao grande sofrimento dos nossos irmãos cristãos que foram obrigados a abandonar as suas casas e pátria", vivido "pelos cristãos em vários países do Médio Oriente".

"O Oriente não pode ser imaginado sem os cristãos"

“Todos perdem neste caos sombrio - foi a sua análise - e não há solução senão no diálogo e na cooperação pela segurança comum e pelos direitos dos nossos cidadãos”. A contribuição dos cristãos do Iraque, “o povo desta terra e seu 'sal', de civilização e luta, foi muito influente”, lembrou, reclamando que as crises contínuas “reduziram a presença” dos cristãos orientais “E empurrou-os a emigrar ”. Migrações que terão “consequências desastrosas para os valores do pluralismo e da tolerância, mas também para a convivência dos povos de uma mesma região. O Oriente não pode ser imaginado sem os cristãos ”.

Criar a "Casa de Abraão para o diálogo religioso"

Em conclusão, o presidente iraquiano desejou que "o retorno de pessoas deslocadas e expatriados de países de refúgio comece sem coerção, e isso requer um trabalho vigoroso para o desenvolvimento econômico e a estabilidade da segurança em toda a região", a fim de atrair "Imigrantes e expatriados, Cristãos e Yazidis na vanguarda ”. “Nós, descendentes do Profeta Abraão, seguidores das religiões abraâmicas” não podemos aceitar “que o terrorismo e o extremismo sejam praticados em nome da religião”. A última esperança de Salih é que a iniciativa de estabelecer a "Casa de Abraão para o diálogo religioso" e uma conferência permanente para o diálogo "sob a supervisão dos delegados do Vaticano, de Najaf, de Al-Azhar, de Zaytuna".


Fonte: Vatican News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at